Outros Textos
- A Primeira Profecia Maia
- Anjos
- Consciência Kamansh
- Considerações sobre a fé
- Prana - Energia da Vida
- Prece à Mãe Terra (de um Xamã norte-americano)
- A Segunda Profecia Maia
- A Quarta Profecia Maia
- A Quinta Profecia Maia
A Terceira Profecia Maia
Agora falaremos sobre a Terceira Profecia Maia. Para quem não acompanhou as duas primeiras, poderá acessá-las em textos anteriores.

Os Maias conseguiam estados ampliados de consciência, fora do comum, devido a seriedade com que lidavam com a prática de meditação, elevando assim a sua vibração energética. Alcançavam resultados surpreendentes quanto a transitar no tempo, indo do passado ao futuro através da sensibilidade e do alto grau de percepção. Desta maneira conseguiam prever fatos relacionados com o desenvolvimento humano e geológico planetários.

Os Maias viam a vida como um eterno processo de aperfeiçoamento da evolução natural e não tinham uma visão fatalista do tempo. A morte para eles não representava o fim da vida e sim um momento de transição para um outro estágio. A vida, para eles, era eterna, nunca terminava. Tudo nascia, vivia, morria e voltava a nascer. Eram ciclos de repetição em todos os níveis de existência, num processo eterno de evolução da matéria e da consciência. Acreditavam na reencarnação: para eles o processo de evolução era constante e eterno. Chamavam a reencarnação de caput-sigil, que significa voltar a experimentar a vida para obter mais sabedoria e compreensão.Acreditavam que o homem era constituído de três corpos: o físico, o astral (que é o molde etérico do físico) e o espiritual (a força energética que dá a vida).

A Terceira Profecia Maia fala da mudança climática no nosso planeta. A onda de calor vai se generalizar e grandes transformações virão a partir desta nova realidade. O homem é o grande responsável pelo desequilíbrio ecológico do planeta. A maneira descuidada e inconsciente de lidar com a preservação biológica, a preservação geológica, a depredação do meio-ambiente como exemplo os depósitos de lixo radioativo enviado para o fundo do mar; resíduos não degradáveis poluindo nossos rios e oceanos, as queimadas, a poluição ácida alteram a camada de ozônio na atmosfera da Terra. O ozônio tem duas funções primordiais: a primeira é absorver os raios ultravioletas do sol, protegendo o sistema ecológico da terra; a segunda, é que combinando com o hidrogênio que chega na Terra sob a forma de água evaporada, transforma-se num poderoso bactericida, permitindo a salubridade do ar.

Em altas concentrações no ar, aumenta as doenças respiratórias, reduz a resistência às infecções, aumenta a incidência de câncer de pele; na natureza impede que as folhas realizem a fotossíntese, responsável pela renovação do oxigênio. Devido a estas mudanças na camada de ozônio, grandes reservas florestais encontram-se doentes, comprometendo a qualidade do ar e da vida.

Com o aumento da temperatura haverá menos nuvens no céu e conseqüentemente, menos chuva. Isto afetará a vida no planeta devido a grandes incêndios florestais e grandes secas virão, prejudicando as colheitas, diminuindo a oferta de alimentos. Com a falta da chuva serão reduzidos os lagos e açudes, reduzindo a fauna. A economia será severamente atingida com a falta de alimentos e por conta disto, os preços irão subir muito, dificultando mais ainda a sobrevivência. Haverá racionamento de água, energia, haverá muita fome e muito descontentamento social. Aumentarão as pragas, insetos e doenças.

Como se não bastasse, a erupção solar provocariam o surgimento dos ventos solares que causam danos nos satélites, interferindo nos computadores. Toda a informação do planeta ficaria comprometida com interrupções nas comunicações e nos sistemas de orientação do funcionamento da navegação e da aviação, deixando o homem experimentando um forte caos planetário, conseqüência de suas ações inconscientes nos crimes praticados contra a natureza e sem se dar conta, contra si próprio.

É impressionantes a sabedoria e clarividência desta civilização desaparecida que conseguiu prever com a exatidão do tempo e dos fatos, a nossa triste realidade. Acredito que ainda é tempo de melhorar e mudar o rumo da nossa história. Compete a cada um de nós fazer a sua parte, agindo com consciência e amor. Procuro estar sempre atenta, procurando fazer a minha parte. E você? Não perca esta chance de lutar pela vida: a sua, a nossa e a da querida Terra.

Muita Paz!
Lívia Serafim